Início Ciência Vacina contra câncer criada em Harvard é eficaz em 100% dos testes

Vacina contra câncer criada em Harvard é eficaz em 100% dos testes

608
0

 Pesquisadores do Harvard’s Wyss Institute, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, desenvolveram uma vacina personalizada e revolucionária contra o câncer agressivo. Agora está em etapa de testes.

A vacina é chamada de “vacina implantável”, do tamanho de uma aspirina. Ela é colocada perto do local do tumor e evita a quimioterapia no corpo todo. 

A nova vacina combina quimioterapia e imunoterapia para tratar tumores resistentes. Ela foi testada  em ratos e “100% deles sobreviveram”, informou a Universidade de Harvard.

“100% dos camundongos que receberam a vacina em gel sobreviveram sem metástase, enquanto todos os camundongos não tratados morreram”, afirma a reportagem da universidade.

“A capacidade desta vacina de induzir respostas imunes potentes sem exigir a identificação de antígenos específicos do paciente é uma grande vantagem, assim como a capacidade da administração de quimioterapia local de contornar os graves efeitos colaterais da quimioterapia sistêmica, o único tratamento atualmente disponível para o doença ”, disse Robert P. Pinkas, um dos autores e líder da plataforma de Immuno-Materials no Wyss Institute.

SOBRE A VACINA IMPLANTÁVEL

A vacina foi desenvolvida pela primeira vez em 2009, e tem se mostrado uma grande promessa no tratamento de vários tipos de câncer.

“O implante de drogas quimioterápicas dentro da estrutura da vacina cria uma explosão de morte de células cancerosas que libera TAAs diretamente do tumor para as células dendríticas, evitando o longo e caro processo de desenvolvimento de antígenos”, disse o co-primeiro autor Alex Najibi, um estudante de graduação da SEAS no laboratório de David Mooney.

Terceiro componente

Encorajada pelos resultados, a equipe experimentou adicionar um terceiro componente à vacina: uma sequência de DNA bacteriano sintético (CpG) conhecido por aumentar as respostas imunológicas.

Os resultados disso foram que os camundongos que receberam vacinas com esta adição exibiram um crescimento tumoral significativamente mais lento e tempos de sobrevivência mais longos do que os camundongos que receberam vacinas sem ela.

Próximos passos

Os pesquisadores continuam explorando a combinação de quimioterapia com vacinas contra o câncer. Espera-se  melhorar sua eficácia antitumoral para outros modelos de tumor de difícil tratamento.

Texto originalmente publicado em sonoticiaboa e adaptado pela equipe do blog Educadores.