Início Comportamento “Crianças mal-humoradas” ou transtorno bipolar inicial?

“Crianças mal-humoradas” ou transtorno bipolar inicial?

400
0

É muito importante que assuntos psicológicos sejam tratados e valorizados desde a infância. Nem sempre nossas crianças estão apenas mal-humoradas… e se elas apresentarem transtorno bipolar inicial?

Transtorno bipolar inicial foi estudado pela Universidade da Califórnia (UCLA). A equipe de pesquisa, que também incluiu autores da Universidade do Colorado e da Universidade de Stanford, estudou um total de 127 jovens com idades entre 9 e 17 anos que apresentavam sinais precoces de transtorno bipolar no início do estudo.

O objetivo dos pesquisadores era determinar qual dos dois tratamentos seria mais eficaz em retardar o início de sintomas bipolares novos e recorrentes: o tratamento centrado na família (12 sessões de terapia com eles)  ou seis sessões com o tratamento tradicional de psicoeducação, que visa fazer o paciente compreender e lidar melhor com seus sintomas de humor.

De acordo com o autor principal do estudo, David Miklowitz, Professor de Psiquiatria da Escola de Medicina David Geffen da UCLA, as crianças e adolescentes que participaram do estudo estavam em alto risco de desenvolver transtorno bipolar devido ao histórico familiar de transtorno bipolar. .

Na verdade, Miklowitz alertou que muitas famílias não sabem que seus filhos estão sob alto risco de desenvolver transtorno bipolar , porque simplesmente acreditam que são “crianças temperamentais “. E é aí que mora o problema.

O estudo e seus resultados

Metade dos participantes do estudo passou por doze sessões de terapia centrada na família durante quatro meses, e a outra metade passou por seis sessões de tratamento educacional tradicional que combinou três sessões individuais e três familiares no mesmo período. Os tratamentos foram conduzidos na UCLA, Colorado e Stanford.

Observou-se que cerca de 60 por cento dos participantes optaram por receber medicamentos para os sintomas de depressão, instabilidade de humor, TDAH ou ansiedade. Esse esquema medicamentoso foi equivalente nos dois tipos de tratamento.

Nas sessões de terapia centrada na família, as crianças e os pais foram ensinados a reconhecer os primeiros sintomas do transtorno bipolar e a praticar as habilidades de comunicação e resolução de conflitos. Por sua vez, nas sessões de tratamento educacional tradicional, eles foram ensinados a controlar o humor e os sintomas com instruções individualizadas.

Foi demonstrado que na terapia familiar 77 por cento dos jovens se recuperaram dos sintomas que apresentavam no início do estudo e o tempo médio de retorno desses sintomas foi de 87 semanas, enquanto no grupo educacional 65 por cento ela se recuperou, mas os sintomas retornaram antes, após 63 semanas.

Intervenção precoce

o especialista garante que ainda não é possível falar em “prevenção” porque não sabem se o transtorno bipolar pode ser prevenido, mas sim em “intervenção precoce” para que crianças e adolescentes com a ajuda das suas famílias possam aprender.

“Este estudo é um primeiro passo importante na tentativa de diminuir a gravidade do transtorno bipolar precoce em crianças”, acrescentou um dos co-autores do estudo e professor associado de psiquiatria do campus médico de Anschutz da Universidade do Colorado, Dr. Christopher. Schneck. 

Texto originalmente publicado em abc e adaptado pela equipe do blog Educadores.