Início Comportamento Perder um cão pode ser tão difícil quanto perder um familiar

Perder um cão pode ser tão difícil quanto perder um familiar

236
0

Qualquer pessoa que já tenha tido um cão e amado ele com todo seu coração saberá que eles são nossa família. Mas infelizmente, a contrário dos nossos familiares humanos, os cães tem uma vida bem mais curta.

Algumas pessoas se referem aos cães como “é apenas um cão”, ou então sugere que ele seja substituído por outro, como se fosse substituível. O que essas pessoas não percebem é que perder um cão é muito difícil, é uma dor tão forte que chega a ser semelhante ou até pior que a dor de perder um familiar.

A pesquisa científica prova que a dor que uma pessoa sente depois de perder um cão é válida e real. Por mais absurdo que possa parecer, a verdade é que quem ama os animais profundamente pode realmente sentir muito mais a dor da perda do seu cão do que a perda de algum parente.

Mas porque é mais difícil ultrapassar a perda de um animal de estimação em comparação com a morte de um humano?

A resposta é simples: é porque não existe uma forma “aceitável” de lamentar essa perda.

Enfrentar a perda de um ente querido é muito mais palpável. Temos outros familiares, amigos, toda uma estrutura que pode nos ajudar a seguir em frente.

Já quando o seu amado cão morre, espera-se apenas que “o deixe ir” e “esqueça”. As pessoas ao nosso redor dificilmente entendem o que aquele animalzinho significava pra nós, e querem que você coloque um sorriso no rosto e finja que nada demais aconteceu – pois pra eles realmente nada demais aconteceu. É difícil avançar depois deste tipo de perda simplesmente porque não há muitos recursos que o possam ajudar a fazê-lo.

APESAR DISSO, LEMBRE-SE QUE SEUS SENTIMENTOS SÃO VÁLIDOS

Não deixe que apaguem esse amor que você sente pelo seu animal. Não deixe que passem por cima da dor que está sentindo. Viva ela, entenda ela, e valorize ela. Pois se dói agora, é por que valeu a pena um dia. A saudade será eterna, mas as lembranças sempre serão boas.

Texto originalmente publicado em pt.everydaytale e adaptado pela equipe do blog Educadores.