Início Comportamento Patinho é criado por uma coruja e registros fofos mostram a boa...

Patinho é criado por uma coruja e registros fofos mostram a boa relação entre os dois

7220
0

Recentemente, a fotógrafa Laurie Wolf estava em seu quintal na Flórida inspecionando as casas de passarinhos que ela e a sua família montaram. Até que viu um pato-mãe movendo seu ovo de um ninho para outro.

“A mãe pato removeu o ovo de uma de nossas caixas de ninho e voou em direção a outra caixa com ela na conta. Acreditamos que o pato moveu o ovo porque esse ninho havia sido invadido – havia cascas de ovos no fundo do pinheiro onde está a caixa”.

Mais ou menos 1 dia depois, uma coruja cantou na caixa.

E um mês depois veio a surpresa: a coruja e o patinho no mesmo ninho.

“Ver a coruja com o patinho foi honestamente a coisa mais incrível que eu já vi na minha vida! Ainda é difícil de acreditar. Disse Laurie. “Tenho certeza de que a coruja chocou o ovo de pato porque ela ficou na caixa por um mês inteiro”, disse Laurie.” Complementou.

Como ambos são animais de diferentes espécies, Laurie ficou preocupada que a coruja predadora fizesse algum mal ao patinho. Sendo assim, resolveu ir atrás de um especialista em pássaros para saber como poderia proceder. No fim, Laurie tinha razão em ter esse receio e um santuário de vida selvagem na sua área concordou em cuidar do patinho se Laurie o pegasse. No entanto, ao tentar capturar o pequeno pato, este pulou da caixa e fugiu em direção a um lago próximo.

Laurie e sua familia não viram mais o patinho desde então. O lago fica na propriedade dos vizinhos e está muito escondido.

É sabido que patos de madeira praticam o parasitismo da ninhada. Isso significa que os pais dos patos normalmente colocam seus ovos em  outros ninhos, para assim garantir a transmissão de seus genes. Christian Artuso, diretor da Bird Studies Canada em Manitoba, diz: “Se você espalhar seus ovos, suas chances de transmitir seus genes aumentam um pouco, especialmente se você perder seus próprios ovos para um predador. Sabemos que isso ocorre, mas realmente não sabemos a frequência”, concluiu o cientista. “Então fiquei feliz em ver outro exemplo disso.”

Texto originalmente publicado em boredpanda e adaptado pela equipe do blog educadores.