Início Comportamento Filhos que dormem com os pais: indicações para que prefiram seus próprios...

Filhos que dormem com os pais: indicações para que prefiram seus próprios quartos

266
0

Filhos que dormem com os pais: saiba como fazer com que queiram dormir em seus próprios quartos. Entenda esta fase e saiba como ajudar o seu filho a dormir sozinho

Seu filho às vezes aparece como um clandestino na sua cama? Calma! Se tranquilize, pois o seu filho acabará escolhendo, de forma espontânea, o seu próprio espaço para dormir. Isso normalmente acontece aos 20 anos de idade.

O consentimento de dividir o espaço de sono com os filhos é variado de acordo com a cultura. “Em alguns países orientais, como o Japão, as crianças dividem espaço de noite com seus pais até os 5 ou 6 anos e na Espanha são enviados a outro quarto quando são lactantes. Existe uma tendência inata a dormir acompanhado. Se o abrigo social dá alívio aos adultos, faz mais sentido no caso de uma criança que é mais vulnerável. No final das contas, é lógico que elas nos procurem, especialmente de noite”, afirma Iván Carabaño, chefe do serviço de Pediatria do Hospital Universitário Rei Juan Carlos — Hospital geral de Villalba.

A ausência dos pais e o escuro noturno podem assustara criança e a tiram da zona de proteção. “Ainda estão presentes o pensamento mágico e a existência de monstros e personagens fantásticos. Também são frequentes os pesadelos e o desejo de proximidade em relação aos seus progenitores. Por isso, nessa etapa, é mais comum que as crianças procurem a cama dos pais. Ajudar a enfrentarem esses medos é tarefa dos adultos”, esclarece Carla Valverde, psicóloga clínica infanto-juvenil do Centro de Saúde Mental de Majadahonda (Madri).

“Os pais podem abordar essa situação de uma maneira dialogada, e chegar a um consenso. Se o casal acha que a migração de seu filho a sua cama significa uma interferência importante a sua felicidade, pode tentar não ceder ao pedido infantil ou fazê-lo moderadamente. Uma boa estratégia com as crianças que precisam mais de seus pais de noite é chegar a um acordo para deixar que durmam com eles, por exemplo, um dia por semana”, recomenda o pediatra Iván Carabaño.

Porém, algumas dicas da psicóloga Carla Valverde podem auxiliar os pais neste processo:

  • Previna que a criança vá deitar com o estômago ainda cheio;
  • Evite refeições pesadas e atividades muito estimulantes perto do horário de dormir;
  • A criança deve evitar beber muito líquido perto da hora de ir dormir;
  • Mantenha um ambiente de sono agradável para a criança, onde o quarto esteja organizado, com uma temperatura amena e a cama esteja confortável.
  • Crie o hábito, na criança, de dormir no seu quarto desde cedo, para que ela entenda qual é o seu lugar para dormir.
  • A criança deve manter uma rotina de dormir para que o organismo dela possa entender que é hora de descansar.
  • Mantenha próximo, a criança, objetos que a tranquilizem, como um ursinho querido e fofo, um cobertorzinho leve e macio para ser abraçado durante a noite e a foto dos pais. Além disso, deixar uma luz fraquinha no quarto ajuda a criança a perder os seus medos.
  • Evite ceder a sua cama;
  • Fomente a autonomia da criança durante o dia, para que ela entenda que pode realizar coisas por conta própria, como se vestir, comer, arrumar o quarto…
  • Combine um tempo para que você leia uma historinha antes de dormir para a criança. Assim ela ainda terá a sua atenção e a sua presença ao lado dela.
  • Ajude-a a enfrentar os seus medos de ficar sozinha.  
  • Fique atendo para identificar possíveis fatores de estresse que interfiram na tranquilidade da criança.
  • Crie momentos de interação e união entre os membros da família antes de ir para a cama, para que assim a criança se sinta amada e respeitada. Desta forma, ela ficará mais segura quando precisar se “separar” da família para ir dormir, pois entende que ficar longe não significa a renúncia do afeto da família.
  •  Confie no potencial da criança em entender que ela conseguirá enfrentar as dificuldades. A confiança dos pais é essencial para que ela confie em si mesma.