Início natureza Em meio a pandemia, EUA enfrentam “vespas assassinas”

Em meio a pandemia, EUA enfrentam “vespas assassinas”

1745
0

Os Estados Unidos tem se destacado por ser o lugar com maior contágio pelo coronavírus. Mas além deste problema, o país se vê em meio a outro caos: as vespas assassinas.

Ao país está sendo tomado por uma invasão de vespas gigantes, que representam problemas para todos polinizadores e também para o ser humano. A espécie é originária do Japão com nome científico de Vespa mandarinia. A preocupação com o zangão não é a toa: com seus 50 milímetros de comprimento ele está devastando colmeias e exterminando abelhas no estado de Washington, com picadas extremamente dolorosas que podem ser letais.

Mas eles não surgiram do nada: desde novembro do ano passado os apicultores tem percebido uma quantidade estranha de abelhas exterminadas e privadas de suas cabeças. E apenas recentemente os cientistas descobriram a real causa, ou seja, a presença deste zangão. Ele sai da hibernação na primavera e constrói ninhos, formando colônias.

“A vespa gigante japonesa é um inseto muito perigoso para os seres humanos, pois possui uma picada de tamanho considerável (até 5 a 6 mm) e um veneno com uma ação enzimática bem prejudicial aos tecidos animais, danificando-os severamente após a punção. Obviamente, para uma pessoa alérgica, pode ser fatal, mas mesmo em um indivíduo saudável, a picada determina uma reação inflamatória extremamente importante e generalizada ”, escreve Entomox.

Pesquisadores estão muito preocupados com os danos que este zangão faz. Não se sabe como ou onde o zangão chegou pela primeira vez na América do Norte e uma vez estabelecidas, as colônias crescem e enviam trabalhadores para encontrar comida e presas. O certo é que a Vespa mandarinia ataca as colmeias, matando as adultas e devorando larvas, defendendo agressivamente a colônia ocupada.

“Suas picadas são profundas e dolorosas porque contêm uma poderosa neurotoxina. Múltiplas picadas podem matar seres humanos, mesmo que não sejam alérgicos “, escrevem pesquisadores de Washington.

De acordo com os entomologistas o perigo não é somente para as abelhas, mas para todo o ecossistema. É preciso tomar providências para que as espécies não se tornam endêmicas no país. “Precisamos ensinar as pessoas a reconhecer e identificar esse zangão enquanto as colônias são pequenas, para que possamos erradicá-lo quando ainda estamos a tempo”, diz Murray. Fisicamente o zangão tem listras laranja e pretas estendendo-se sobre as costas.

A ação agora é ajudar a população a identificar corretamente o zangão para melhor prevenção.

Texto originalmente publicado em pensarcontemporaneo e adaptado pela equipe do blog Educadores.