Início Destaque Crianças que falam sozinhas enquanto brincam: é um hábito bom ou ruim?

Crianças que falam sozinhas enquanto brincam: é um hábito bom ou ruim?

674
0

O hábito de falarem sozinhos enquanto brincam é bastante comum em crianças de até 5 anos. No entanto, muitos pais se preocupam com isso, sem entender até que ponto pode ser considerado um hábito bom e saudável, com receio de que os filhos estejam muito sozinhos.

Mas os pais podem se tranquilizar: um estudo publicado no Early Childhood Research Quarterly mostrou que crianças que falam sozinhas e em alto tom têm melhor desempenho em tarefas motoras do que aquelas que fazem suas atividades sozinhas e silenciosas.

E ESSE HÁBITO TRAZ BENEFÍCIOS?

Claro! O hábito de falar alto quando estão brincando não deveria ser mera coincidencia, certo? Assim como desenvolve as funções motoras, também geram outros benefícios. Veja:

1. Aumenta a inteligência

Um estudo publicado na revista Harvard Business Review descobriu que falar sozinho otimiza o processo de pensamento, ajudando a criança a organizar melhor as ideias e encontrar soluções mais rapidamente.

2. Desenvolve a linguagem

Uma pesquisa realizada na Universidade de Missouri mostrou que as crianças que falam consigo mesmas se corrigem com mais frequência, fazem mais pausas para organizar bem a sua fala e têm maior controle sobre o que dizem do que aquelas quem eles geralmente não falam sozinhos.

3. Estimula a atenção

Especialistas das Universidades de Wisconsin-Madison e Pensilvânia, revelaram que falar sozinho é uma boa estratégia para estimular a atenção e a concentração.  Dessa forma, eles se concentram mais no que estão fazendo.

4. Treina habilidades sociais

Enquanto as crianças falam sozinhas, as crianças praticam diferentes formas de interagir com as pessoas, e aprendem a se colocar no lugar dos outros. Isso faz com que exerçam algumas habilidades de comunicação que podem ser muito úteis no futuro.

Agora você já sabe: quando ver seu filho falando sozinho enquanto brinca, ele está se desenvolvendo!

Texto originalmente publicado em etapainfantil e adaptado pela equipe do blog Educadores.