Início Bem estar Como o estresse oxidativo (desequilíbrio de radicais livres) afeta o corpo?

Como o estresse oxidativo (desequilíbrio de radicais livres) afeta o corpo?

722
0

O que é estresse oxidativo?

O estresse oxidativo é um desequilíbrio de radicais livres e antioxidantes no corpo, que pode causar danos às células e aos tecidos. O estresse oxidativo ocorre naturalmente e desempenha um papel no processo de envelhecimento.

As células do corpo produzem radicais livres durante os processos metabólicos normais. No entanto, as células também produzem antioxidantes que neutralizam esses radicais livres. Em geral, o corpo é capaz de manter um equilíbrio entre antioxidantes e radicais livres.

Quando esse equilíbrio não é alcançado, temos essa condição de estresse oxidativo.

Os fatores que contribuem para o estresse oxidativo são:

  • dieta
  • estilo de vida
  • certas condições
  • fatores ambientais, como poluição e radiação

O estresse oxidativo descontrolado pode acelerar o processo de envelhecimento e pode contribuir para o desenvolvimento de uma série de condições.

MAS NEM SEMPRE O ESTRESSE OXIDATIVO É RUIM….

Por exemplo, o estresse oxidativo que resulta da atividade física pode ter efeitos benéficos e reguladores no corpo. O exercício aumenta a formação de radicais livres, o que pode causar estresse oxidativo temporário nos músculos. No entanto, os radicais livres formados durante a atividade física regulam o crescimento do tecido e estimulam a produção de antioxidantes.

Então nem sempre esse estresse será maléfico para nosso corpo.

No entanto, o estresse oxidativo de longo prazo danifica as células, as proteínas e o DNA do corpo. Isso pode contribuir para o envelhecimento e pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de uma série de doenças, como as que citamos abaixo:

Inflamação crônica

Infecções e lesões desencadeiam a resposta imunológica do corpo. As células imunológicas chamadas macrófagos produzem radicais livres enquanto lutam contra os germes invasores. Esses radicais livres podem danificar células saudáveis, levando à inflamação.

Doenças neurodegenerativas

Os efeitos do estresse oxidativo podem contribuir para várias condições neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson .

As células cerebrais usam oxigênio para realizar atividades metabólicas intensas que geram radicais livres. Esses radicais livres ajudam a apoiar o crescimento das células cerebrais, a neuroplasticidade e o funcionamento cognitivo. Durante o estresse oxidativo, o excesso de radicais livres pode danificar as estruturas dentro das células cerebrais e até mesmo causar a morte celular, o que pode aumentar o risco de doença de Parkinson.

Fatores de risco para estresse oxidativo

O estresse oxidativo pode desempenhar um papel no desenvolvimento de uma série de condições, incluindo:

  • Câncer
  • doença de Alzheimer
  • Mal de Parkinson
  • Diabetes;
  • condições cardiovasculares, como pressão alta, aterosclerose e acidente vascular cerebral
  • distúrbios inflamatórios
  • síndrome da fadiga crônica
  • asma
  • infertilidade masculina

Fatores de risco para estresse oxidativo

Os fatores que podem aumentar o risco de estresse oxidativo em longo prazo incluem:

  • obesidade
  • dietas ricas em gordura, açúcar e alimentos processados
  • exposição à radiação
  • fumar cigarros ou outros produtos do tabaco
  • consumo de álcool
  • certos medicamentos
  • poluição
  • exposição a pesticidas ou produtos químicos industriais

Prevenção

O estilo de vida e as medidas dietéticas que podem ajudar a reduzir o estresse oxidativo no corpo incluem:

  • comer uma dieta saudável e equilibrada, rica em frutas e vegetais
  • limitar a ingestão de alimentos processados, particularmente aqueles ricos em açúcares e gorduras
  • exercitar regularmente
  • parar de fumar
  • reduzindo o estresse
  • evitando ou reduzindo a exposição à poluição e produtos químicos agressivos

Texto originalmente publicado em medicalnewstoday e adaptado pela equipe do blog Educadores.