Início Curiosidades Um grupo de tartarugas jabuti foi solto no Parque Nacional da Argentina...

Um grupo de tartarugas jabuti foi solto no Parque Nacional da Argentina para recuperar esta espécie

258
0

Na maior transferência de animais entre dois países sul-americanos para um projeto de reintrodução, 40 jabutis yabotí foram levados do Paraguai para o Parque Nacional El Impenetrável, na Província do Chaco. Depois de passar por uma fase de quarentena e adaptação, o primeiro grupo de 10 tartarugas foi solto e assim recuperou sua liberdade.

Após a soltura do primeiro grupo, os três restantes serão liberados progressivamente, o que permitirá um acompanhamento mais intensivo de cada indivíduo durante os primeiros dias em liberdade, algo fundamental para avaliar sua adaptação à floresta do Chaco.

Este novo projeto de reflorestamento busca resgatar o papel ecológico fundamental da tartaruga jabuti na região: dispersar as sementes dos frutos que ela come e assim contribuir para a regeneração das florestas. 

O projeto é realizado em conjunto pela Fundación Rewilding Argentina , a Administração de Parques Nacionais e a Província do Chaco, e conta com o apoio do Refúgio Urutaú da cidade de Filadélfia no Paraguai e do Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Paraguai.

SOBRE A TARTARUGA JABUTI

Ela é a maior espécie de tartaruga terrestre da Argentina e a segunda maior da América do Sul. “Sua distribuição cobria originalmente a região do Chaco de Salta, Formosa e Chaco. Embora se acredite que alguns indivíduos isolados ainda possam sobreviver em Formosa, hoje a espécie está aparentemente extinta no resto do país, já que não há registros em outras províncias há mais de 10 anos. As principais causas de seu declínio foram a caça, as carícias e a destruição de seu habitat”, disse Gerardo Cerón, biólogo e coordenador de conservação do Projeto El Impenetrável da Fundación Rewilding Argentina. 

As primeiras 40 tartarugas foram doadas pelo Abrigo Urutaú, do Paraguai. Depois de passarem pela quarentena em Corrientes, onde foram alimentadas com plantas e frutas nativas, foram então transferidos para o Parque Nacional El Impenetrável, no Chaco.

As tartarugas serão monitoradas com dispositivos VHF acoplados ao casco para avaliar sua adaptação ao novo habitat. Espera-se que este primeiro núcleo populacional aumente à medida que os indivíduos adultos se reproduzem. “Está projetado para gerar outros núcleos populacionais em outras partes do Parque com a liberação de mais exemplares, para que com o tempo eles se conectem”, concluiu Gerardo Cerón.

Texto originalmente publicado em bioguia e adaptado pela equipe do blog Educadores.