Início Comportamento Restaurante polemiza ao cobrar taxa extra de clientes com “crianças gritando ou...

Restaurante polemiza ao cobrar taxa extra de clientes com “crianças gritando ou descontroladas”

163
0

O restaurante Angie’s Oyster Bar & Grill, instalado em Cingapura, entrou em uma polêmica ao adotar uma medida controversa voltada para clientes que chegarem ao estabelecimento com crianças.

“Gostaríamos de informar que não temos nenhuma cadeira de bebê disponível, pois não somos um restaurante para crianças”, diz o aviso enviado a clientes do restaurante no ato da reserva.

“Sobretaxa para crianças gritando: todas as crianças são bem-vindas para jantar no Angie’s. No entanto, crianças gritando/descontroladas, perturbando outros clientes NÃO serão toleradas. Será cobrada uma taxa de US$ 10. Ansiosos pelo seu retorno”, informa o estabelecimento.

Os proprietários dizem que , a medida foi adotada após uma série de reclamações de clientes. “Antes da introdução desta política, recebíamos comentários ou reclamações de outros clientes semanalmente”, explicaram em entrevistas à mídia local.

É claro que esse informe do restaurante acabou viralizando e causando as mais diferentes opiniões. “Discriminação não apenas contra a famílias com crianças, mas também a famílias com crianças com necessidades especiais”, escreveu um usuário que deu ao restaurante uma avaliação de apenas uma estrela.

No site TripAdvisor, uma mãe comentou que desistiu de jantar no restaurante depois de receber o aviso. “Queríamos voltar no Angie, então fizemos uma reserva e indicamos que levaríamos nosso filho”, disse ela.

“Eles nos retornaram, informando que não era um restaurante para crianças e que haveria uma sobretaxa se uma criança estivesse ‘gritando/descontrolada’ e que isso ‘NÃO seria tolerado’. Esta foi a primeira vez que fomos informados sobre isso, embora já tivéssemos ido lá em outras ocasiões. Embora eu entenda que uma criança gritando pode perturbar outros clientes, acho que Angie poderia ter adotado uma abordagem mais educada. Fiquei bastante desanimada com a resposta. Acho que não vamos voltar”, finalizou.

O restaurante respondeu ao comentário negativo oferecendo uma explicação sobre as razões pelas quais adotaram a medida.

“Nos últimos meses, recebemos um número crescente de reclamações de crianças correndo desacompanhadas ou perturbando outras mesas durante o período de serviço… Por causa dessas experiências, sentimos que não tínhamos escolha a não ser impor uma ‘penalidade’ para lidar com situações tão infelizes”, escreveu o restaurante em resposta a uma crítica negativa.

Texto originalmente publicado em psicologiasdobrasil e adaptado pela equipe do blog Educadores.