Início Comportamento Psicologia reversa: o que é e como ela é usada?

Psicologia reversa: o que é e como ela é usada?

352
0

O objetivo da chamada psicologia reversa é influenciar as pessoas de forma oculta a realizar uma ação, instruindo-as a fazer o contrário do que se deseja.

Esse tipo de psicologia costuma ser muito eficaz no campo da publicidade e útil para lidar com certos tipos de pessoas.

Que tipo de pessoa geralmente é mais influente?

A psicologia reversa costuma ser eficaz quando aplicada a pessoas com temperamento rebelde e com pouca disposição para fazer o que lhes é pedido.

Pessoas rebeldes e um tanto desafiadoras costumam ser caracterizadas por apresentarem uma alta reatância cognitiva, ou seja: reagem defensivamente quando sentem que seu senso de liberdade individual é restringido ou ameaçado.

É natural que resistam à pressão ou que lhes digam o que fazer . Por isso, tendem a fazer exatamente o contrário do que lhes é pedido; para reafirmar de alguma forma sua autonomia.

A psicologia reversa busca suscitar na pessoa suscetível a ela, o comportamento de “reatância” . Esta é uma reação do tipo emocional que, realizada por um raciocínio lógico de rejeição, produz uma resposta de confronto ou oposição.

A reatância pode dar origem a três tipos de respostas:

  • Reatância direta: costuma ser a mais comum e a mais procurada como resposta. A pessoa se sente ameaçada e reage fazendo ou dizendo exatamente o contrário do que foi solicitado.
  • Reatância indireta: Nela, a pessoa continua a fazer o oposto do que foi solicitado, mas por meio de algum tipo de comportamento dissimulado e não tão óbvio.
  • Reatância subjetiva: A pessoa atende à solicitação, mas não define o horário ou local em que será realizada, podendo, às vezes, sugerir que não seja realizada.

COMO COLOCAR EM PRÁTICA A PSICOLOGIA REVERSA?

1. Desista e ceda à razão

Aplica-se, por exemplo, nas ocasiões em que se realiza um debate e a discussão se afasta do argumento central, para se tornar uma disputa onde alguém quer impor seu ponto de vista.

Como o que se busca, em última instância, é retornar ao tema original do debate, a pessoa ofuscada “está certa” e o fio do debate é retomado. O que a outra pessoa “ganhou” torna-se algo totalmente inconseqüente.

2. Pronuncie o oposto da ideia que estava sendo expressa

Nessa oportunidade, o sarcasmo ou a ironia são usados ​​para que, ao afirmarmos uma coisa, possamos ocultar que, no fundo, nossa posição aponta na direção oposta.

3. A armadilha sutil da provocação

Transforme seu pedido em um desafio: – Aposto o que você quer que não consegue arrumar seu quarto tão rápido quanto seu irmão.

MAS ATENÇÃO:

É importante sempre ter em mente que a psicologia reversa nunca deve substituir os canais de comunicação normais e deve ser a exceção e não a regra; pois acarreta um certo nível de riscos, especialmente no que diz respeito à comunicação com crianças ou adolescentes.

Texto originalmente publicado em menteasombrosa e adaptado pela equipe do blog Educadores.