Início Destaque Por que sentimos vontade de beliscar ou morder algo que achamos fofo?

Por que sentimos vontade de beliscar ou morder algo que achamos fofo?

173
0

Você já teve vontade de beliscar o que acha fofo? Por exemplo, quando vemos as bochechas gordinhas de um bebê fofo recém-nascido no mundo, queremos beliscá-las. De alguma forma somos compelidos a fazer isso. E nós adoramos segurar não apenas humanos, mas também bochechas de cachorrinhos. Não se preocupe, isso se chama “agressão fofa”. A pesquisa mostrou que isso é normal.

O que significa “agressão fofa”?


A psicóloga Katherine Stavropoulos diz que é normal termos vontade de beliscar, morder, apertar, aquilo que achamos fofo. Sua pesquisa sobre “agressão fofa” foi publicada na Frontiers in Behavioral Neuroscience e envolveu quase metade dos adultos. Como resultado, verificou-se que a “agressão fofa” não prejudica de forma alguma os outros. “Quando as pessoas sentem vontade de fazer essas coisas, elas não pensam em machucar os outros.” ela disse.

Ele e sua equipe de pesquisa registraram flutuações na atividade elétrica nos cérebros de 54 adultos jovens. Ao fazê-lo, foram mostradas fotos de animais e pessoas e observados como as oscilações ocorriam. Algumas das fotos mostradas durante o estudo eram simples, enquanto outras eram fotos de crianças e animais fofos com bochechas grandes, olhos grandes e narizes pequenos.

Pesquisas descobriram que fotos que podem ser descritas como fofas causam mais flutuações de atividade no cérebro das pessoas, que estão ainda mais ligadas às emoções. Além disso, quanto mais agressiva uma pessoa se sentia, maior a flutuação da atividade cerebral.

Por que razão achamos os bebês tão fofos?

De acordo com Konrad Lorenz, existe algo como “diagrama das crianças”. Isso torna a criança mais carinhosa. Refere-se às características fisiológicas de uma criança – cabeça grande, rosto pequeno, olhos grandes e redondos, orelhas pequenas, nariz curto, bochechas rechonchudas, etc.

E você, já experimentou a “agressão fofa”? Aposto que sim, não é?

Texto originalmente publicado em news.xopom e adaptado pela equipe do blog Educadores.