Início Beleza Por que os idosos costumam ter um cheiro peculiar? Um estudo nos...

Por que os idosos costumam ter um cheiro peculiar? Um estudo nos dá a resposta

351
0

Você já deve ter percebido alguma pessoa mais velha com um cheiro peculiar. Um cheiro único, que não tem como denominar. Os pesquisadores decidiram testar se o cheiro era uma parte intrínseca do envelhecimento, um produto do meio ambiente ou um truque da mente.

Em 2001, uma equipe de pesquisadores liderada pelo Dr. Shinichiro Haze, do Centro de Desenvolvimento de Produtos de Yokohama, pediu a indivíduos com idades entre 26 e 75 anos que vestissem camisas projetadas para capturar seus odores corporais por três noites.

As moléculas presas aos remendos da camisa foram extraídas e passadas por um espectrômetro de massa para separar com precisão os compostos a serem analisados.

Os autores encontraram uma mistura complexa de produtos químicos, mas a maioria deles não foi afetada pela idade. A exceção foi o 2-nonenal, um aldeído que só foi encontrado em camisas usadas por pessoas com 40 anos ou mais e aumenta com a idade.

O artigo do Journal of Investigative Dermatology relatando o trabalho revelou que não produzimos 2-Nonenal em qualquer idade. A pele dos idosos libera ácidos graxos insaturados ômega-7, que se convertem em 2-nonenal quando expostos ao ar. Os peróxidos lipídicos aceleram o processo.

Um estudo de 2012 publicado na revista PLOS ONE liderado pela Dra. Susanna Mitro , então no Monell Chemical Senses Center no campus do University City Science Center na Filadélfia, Pensilvânia, descobriu que as pessoas podiam distinguir entre odores entre pessoas com mais de 75 e com menos de 55 anos. mas não entre aqueles na casa dos vinte e aqueles com 45 a 55 anos.

No entanto, o trabalho do Dr. Shinichiro Haze indica que nem todas as pessoas mais velhas estão destinadas a sentir esse cheiro específico.

As concentrações médias de 2-nonenal para pessoas entre 40 e 70 anos foram de 2,6 partes por milhão. No entanto, dois indivíduos na faixa dos 60 anos e um na faixa dos 70 produziram tão pouco 2-nonenal que o espectrômetro de massa mal conseguiu detectá-lo. Isso representou metade da amostra de pessoas com mais de 60 anos no estudo.

O ômega-7 monoinsaturado também mostrou uma clara tendência a aumentar com a idade, mas para cerca de metade dos indivíduos com mais de 40 anos, os níveis foram apenas marginalmente mais altos do que nos participantes mais jovens, se houver.

Ainda assim, por que a pele excreta mais substâncias químicas que se tornam 2-nonenal à medida que envelhecemos permanece um mistério. Os ultradarwinistas, que atribuem todos os fenômenos biológicos à seleção natural, acreditam que há uma vantagem evolutiva em sinalizar a velhice.

A liberação de ômega-7 também pode ser simplesmente uma consequência do envelhecimento do corpo, e o produto degradado um efeito colateral.

“Cheiro de gente velha” é geralmente considerado uma coisa ruim, e Haze e seus co-autores descrevem 2-Nonenal como tendo; “Um cheiro desagradável de grama e gordura. É a molécula que dá à cerveja rançosa seu sabor de “papelão”, tornando-se o inimigo número um para os químicos que procuram fazer a cerveja durar mais.

Mas o Dr. Mitro e seus co-autores acreditam que o cheiro de pessoas idosas só é considerado desagradável no contexto. Sociedades que respeitam mais a idade podem vê-la de forma diferente.

Texto originalmente publicado em sain-et-naturel e adaptado pela equipe do blog Educadores.