Início Destaque Por que é importante que as crianças tenham responsabilidades

Por que é importante que as crianças tenham responsabilidades

517
0

A importância da responsabilidade para as crianças reside nos seus benefícios para o desenvolvimento e integração na sociedade. A essência da responsabilidade está em estar totalmente ciente de suas ações e tomadas de decisão. Responsabilidade pode ser entendida como a resposta que o sujeito deve ter diante de uma situação que requer sua intervenção.

A responsabilidade nas crianças deve ser fundamentada na educação , ministrada em casa e na escola. Isso fará com que os valores morais sejam construídos sobre o que deve ser qualificado como correto ou incorreto.

Aquisição de responsabilidade nas crianças como um valor social

Se você quiser trabalhar a responsabilidade da criança, primeiro deve ter cuidado com a internalização da obediência. Isso pode ser encorajado fazendo com que os filhos ouçam seus pais com a ajuda de vários reforços; na colaboração com os afazeres domésticos, pois é preciso educar para que a criança faça parte desse ambiente, e na manutenção do espaço físico que lhe foi delegado na casa.

Aprendendo a seguir regras e ordens

 A partir dos 5 anos as crianças podem começar a aprender a ser obedientes. Porém, essa obediência é internalizada muito melhor e mais rapidamente nos primeiros filhos do que nos subsequentes, uma vez que os irmãos mais novos comparam suas tarefas com as do irmão mais velho.

Segundo a teoria de Jean Piaget , isso faz sentido, pois no chamado período “pré-operatório” (de 2 a 6 a 7 anos), as crianças possuem competência cognitiva suficiente para compreender a realidade, organizá-la e comunicá-la. Portanto, essas crianças tendem a obedecer às regras que são prescritas sem questionar. Se eles desobedecem às regras, estão diretamente associados a uma punição, que é algo que, da melhor maneira possível, eles procuram evitar.

Nesse estágio do ciclo de vida, a criança é egocêntrica, o que torna difícil para ela assumir perspectivas diferentes da sua. Por isso os pais devem compreender que lhes é difícil adaptar sua percepção imediata e absoluta aos outros.

Ao iniciar a fase pré-operatória, a criança vai regular seu comportamento para receber recompensas, de forma que a sociabilidade só é essencial quando está em perigo.

Compartilhar também é decisivo para começar a construir responsabilidade nas crianças

Isso ajuda seu comportamento social, definindo suas amizades e colaboração com eles. Isso não será um problema porque eles costumam compartilhar coisas regularmente pelo prazer de socializar entre 5 e 6 anos.

É por isso que a responsabilidade ocorre por etapas: começa com a responsabilidade individual da criança, passando pela responsabilidade exigida pelo contexto escolar e atingindo a responsabilidade que ela ocupa dentro do papel familiar.

Desenvolvimento pessoal e responsabilidade

O comportamento das crianças será moldado com a ajuda e participação de outras pessoas. Esse processo de amadurecimento cognitivo é importante para deixar de lado o egocentrismo característico das primeiras idades do estágio pré-ocupacional.

Isso irá colaborar com os processos psicológicos entendidos como linguagem, memória, atenção, percepção e cognição, além de auxiliar no amadurecimento.

Por meio do contexto social, a criança observa e imita todos os estímulos que considerar significativos. A aquisição da linguagem é fundamental, pois, por meio dela, a criança pode expressar seus pensamentos sem recorrer a ações para compreendê-los.

Todo esse aprendizado cognitivo em interação com o social vai fortalecer os laços de responsabilidade, pois aos poucos a criança vai se adaptando ao seu meio e vai internalizando que o mundo não gira em torno dela.

A família e o papel da responsabilidade nas crianças

A família desempenha um papel fundamental no que diz respeito à sociabilidade da criança. É fundamental que a criança busque coisas que gerem prazer, evitando o fracasso. Isso desempenha um papel fundamental nas emoções do bebê.

Por meio de regras e autoridade, os pais conseguem educar seus filhos em parceria e responsabilidade. Se os pais não estiverem totalmente envolvidos no desenvolvimento dos filhos, será difícil para eles assumir responsabilidades no futuro. Mas não se engane: não apenas os pais são responsáveis ​​por eles. Todas as figuras de apego cuidarão da educação da criança desde cedo, como exemplo de avós, tios, etc.

 A autoridade equilibrada dos pais também aumentará a confiança, o autoconceito e a auto-estima nos bebês. Para isso é importante que haja sincronicidade na formação entre pais e filhos, brincando com a flexibilidade de caráter dos pais e conduzindo negociações com os filhos.

A responsabilidade é adquirida no desenvolvimento da criança. Isso é feito por meio da obediência no aprendizado, o que ajudará na determinação da criança entre o que é certo e o que é errado.

Texto originalmente escrito em menteasombrosa e adaptado pela equipe do blog Educadores.