Início Ciência O cérebro precisa ficar animado para aprender

O cérebro precisa ficar animado para aprender

152
0

Em 2010, uma equipe de pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Boston , colocou um sensor eletrodérmico no pulso de um estudante universitário de 19 anos para medir a atividade elétrica de seu cérebro 24 horas por dia durante sete dias. O experimento produziu um resultado inesperado: a atividade cerebral do aluno quando ele assistia a uma master class era a mesma de quando ele assistia à televisão; praticamente nulo. Os cientistas puderam assim provar que o modelo pedagógico baseado no aluno como receptor passivo não funciona.

“O cérebro precisa ficar animado para aprender”, explica José Ramón Gamo, neuropsicólogo infantil e diretor do Mestrado em Neurodidática da Universidade Rey Juan Carlos .

 Nos últimos cinco anos, surgiram na Espanha diferentes correntes que querem transformar o modelo educacional e uma delas é a neurodidática. É um conjunto de conhecimentos com que a pesquisa científica vem contribuindo no campo das neurociências e sua relação com os processos de aprendizagem. “Antes, você só podia observar o comportamento dos alunos, mas agora, graças às máquinas de neuroimagem, podemos ver a atividade cerebral enquanto eles realizam tarefas”, acrescenta Gamo. Essas informações são usadas por professores e pedagogos para decidir quais métodos são mais eficazes.

Gamo, que estuda as dificuldades de aprendizagem de pessoas com dislexia ou TDAH há mais de 20 anos, observou que na maioria das vezes esses problemas não estavam relacionados a essas síndromes, mas à metodologia escolar.

Para chegar a essa conclusão, ele e sua equipe identificaram que 50% do tempo das aulas primárias na Espanha é baseado na transmissão de informações aos alunos verbalmente, algo que acontece 60% do tempo no ensino medi.  “Perguntamos sobre o que estava acontecendo nas salas de aula e queríamos saber o que a ciência dizia sobre isso, se esse método era justificado.”

Se baseando em dados científicos, então, eles concluíram que para a aquisição de novas informações o cérebro tende a processar dados do hemisfério direito – mais relacionados à intuição, criatividade e imagens. “Nesses casos, o processamento linguístico não é o protagonista, o que significa que a fala não funciona. Gestos faciais e corporais e contexto desempenham um papel muito importante. Mais um exemplo da ineficácia da master class ”, explica Gamo.

Por esse motivo, a neurodidática propõe uma mudança na metodologia de ensino para substituir as aulas expositivas por recursos visuais, como mapas conceituais ou vídeos, com diferentes suportes informacionais, como gráficos interativos que exigem a participação dos alunos. Outra aposta é o trabalho colaborativo. “O cérebro é um órgão social que aprende fazendo coisas com outras pessoas”, acrescenta.

O principal problema, na opinião de Gamo, é que as escolas não estão a decidir onde querem inovar, ao que se acrescenta que ninguém as acompanha na implementação das novas metodologias. “Os diretores dos centros estão enraizados em métodos tradicionais baseados em master classes, memorização e provas escritas”.

Uma das plataformas de educação online baseadas em neurodidáctica é o Neurok . O diretor da empresa, Agustín Cuenca, começou a explorar o mundo da educação há 10 anos, quando seu filho de cinco anos foi diagnosticado com hiperatividade. “Partimos do fato de que o treinamento online não funciona, apenas 10% daqueles que se inscrevem em um MOOC – cursos online massivos e gratuitos – o concluem”. Em uma plataforma tradicional há conteúdo, enquanto na Neurok há debates.

Cuenca e uma equipe de 10  professores universitários e do ensino fundamental aplicaram os formatos do Twitter e do Facebook à educação. “Antes você sempre sabia a quem pedir as notas. Agora você decide quem seguir nesta rede social em que todos os alunos compartilham conteúdo e discutem diferentes temas. O professor atua como um guia e fornece critérios sobre quais conteúdos são de qualidade ”, explica Cuenca. A coisa mais difícil sobre esse modelo de aprendizagem, esse cientista da computação reconhece, é a participação. O sistema possui hashtags, menções ou notificações no celular, entre outros serviços. A ideia do Neurok é ser usado como uma plataforma de suporte para aulas presenciais ou diretamente como o esqueleto de um curso online.

“Ainda há muita gente que desconfia desses métodos, mas em cerca de 15 anos os resultados começarão a ser vistos”, diz Cuenca, que já assessorou mais de 30 escolas públicas de diferentes comunidades autônomas por meio de seu consultor educacional Niuco.

Texto originalmente publicado em elpais e adaptado pela equipe do blog Educadores.