Início Destaque Ninhos de beija-flor são extremamente pequenos e podem estar sendo destruídos por...

Ninhos de beija-flor são extremamente pequenos e podem estar sendo destruídos por você

2920
0

Todo mundo acha lindo um beija-flor, certo? Ou pelo menos eles são conhecidos por serem graciosos. Mas você sabia que se não tiver cuidado pode acabar matando os ovos dos filhotes da espécie?

Isso acontece por quê os ovos de beija-flor criticamente ameaçados são extremamente pequenos, e se você não identificá-los pode acabar podando eles junto com os arbustos.

“Os ovos dos beija-flores são pequenos, do tamanho de jujubas! Lembre-se de verificar cuidadosamente os ninhos antes de aparar árvores e arbustos ”, recentemente o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA pediu aos jardineiros em uma postagem em rede social. 

Os ninhos são geralmente construídos em um galho  com uma inclinação descendente e geralmente ficam em um galho pendurado em água corrente ou em espaço aberto, de acordo com o The Hummingbird Project .

Ninhos de beija-flor também são extremamente delicados! Beija-flores constroem seus ninhos com teias de aranha, líquen (que ajuda a camuflar o ninho) e matéria vegetal.

COMO AJUDAR A CRIAR HABITAT PARA BEIJA FLORES

Forneça fonte constante de água limpa e fresca: quem nunca viu alguém tentando atrair beija-flor pro seu jardim com essa técnica?

Plante muitas árvores e arbustos: isso atraí os bichinhos e aumenta probabilidade de se reproduzirem por alí.

Procure diminuir o uso de inseticidas e fertilizantes: não precisamos nem dizer por quê não é? Isso faz mal para qualquer elemento da natureza.

Diminua a quantidade de pátio coberto por grama e invista em mais árvores e arbustos no lugar: mais uma vez, se você tiver uma vasta região de gramado, pode substituir esse gramado por plantas que sejam do interesse da espécie.

Todas dicas são importantes, mas é imprescindível que você cuide os galhos dos seus arbustos que estão sendo podados! Lembre-se que lá pode haver um ninho dos nossos queridos beija-flores.

Texto originalmente publicado em returntonow  e adaptado pela equipe do blog educadores.