Início Comportamento Legalização do comércio de chifres de rinoceronte pode salvar as espécies da...

Legalização do comércio de chifres de rinoceronte pode salvar as espécies da caça furtiva em Suazilândia

157
0

Ao longo da década de 1970 houve uma caça furtiva devastadora de rinocerontes nas fronteiras internacionais. Desde então, o comércio de chifres do animal têm sido proibido há quase 40 anos na região da Suazilândia. Mesmo com a proibição, o comércio ilegal permanece e a caça se tornou a principal ameaça às espécies. Para se ter uma ideia, em 2015 mais de 4 rinocerontes eram caçados por dia na África.

Com tudo isso, a Suazilândia trouxe uma proposta diferente e que surpreendeu a muitos: a venda de chifres dos estoques existentes. A proposta, de início, foi vetada. No entanto, ela representa o apoio à restauração do comércio legal de chifres de rinoceronte.

A lógica da ideia é gerar um comércio devidamente regulamentado que atendesse à demanda, e parasse com a caça furtiva, gerando o dinheiro necessário para a conservação e diminuindo o derramamento de sangue humano entre guardas florestais e caçadores. Para essa proposta, já há uma certa infraestrutura: apenas um produtor de rinocerontes da África do Sul já possui mais de 1100 da espécie e um estoque de chifres de quatro toneladas.

Mas nem todos concordam com essa ideia.

Para ter uma noção, o Quênia quis deixar bem claro sua posição queimando mais de duas toneladas de chifre em um ano.  Para os quenianos, permitir esse comércio legal seria apoiar o mérito de usar chifres de rinoceronte na medicina tradicional – algo sem nenhum embasamento científico.

O debate ainda permanece: para salvar as espécies, devemos fazê-las pagar da sua maneira?

Texto originalmente publicado em adaptnetwork e adaptado pela equipe do blog educadores.