Início Comportamento Família tóxica: o que fazer se você faz parte de uma

Família tóxica: o que fazer se você faz parte de uma

344
0

Muitos psicólogos têm prestado atenção especial às relações que existem dentro das famílias, a fim de explicar a psicopatologia que afeta alguns de seus membros. Famílias unidas, famílias divididas, pais mais democráticos e pais mais autoritários, cumplicidade entre gerações, relações que incentivam laços familiares duplos, pais superprotetores , abandono, negligência, etc. São muitos os fenômenos estudados que vinculam algumas doenças mentais ao ambiente e às relações familiares.

Mas ainda é  difícil abordar esse assunto

O aspecto particularmente difícil nesta questão, diz respeito à forma correta de abordá-la, explicá-la e tratá-la. O sangue faz parentes, mas não significa muito mais. Frases como “não há nada como família “, “a família nunca quer machucar” ou “entre parentes você tem que perdoar nada”, são padrões que estão enraizados na sociedade, mas que na verdade são ilusórias afirmações.

E esse padrão  é fonte de grande dor, culpa e confusão para quem pensa que os seus familiares não têm podido responder àquela “incondicionalidade” que, segundo a sociedade, deve representar. Quando as pessoas sofrem na família com de abusos físicos ou psicológicos podem não entender que a forma como foram criados impediu seu pleno desenvolvimento e independência emocional.

Funções atribuídas e rótulos que marcam

Frases como “é uma criança viva” ou “tem um carácter difícil”, são uma cadeia imperceptível de pequenas frases que, ditas e repetidas no seio da família, podem atingir fortemente quem as escuta. Elas são uma forma de dar identidade a cada um dos seus filhos, de se poupar de explicações ou, em alguns casos, de esconder suas deficiências como pais criando um filho.

Lembre-se: rotular uma criança é uma forma de capturar seu comportamento. O que ouve dos outros o faz acreditar que tem um comportamento “incorrigível”.

MESMO SANGUE? E O QUE TEM?

O fato de alguém ter “o mesmo sangue que você” não significa que não possa machucá-lo com seu comportamento . O parentesco é uma questão biológica, genética, mas um bom vínculo é afetuoso, comunicativo e sujeito à variabilidade dos indivíduos, que pouco tem a ver com a herança genética.

E A SUPERPROTEÇÃO?

Até no amor é preciso aproveitar a virtude do equilíbrio . Nos estágios iniciais do desenvolvimento do bebê é possível observar sua necessidade de explorar o ambiente que o cerca, tendo uma figura de referência relevante, fato demonstrado pelos psicólogos John Bowlby e Mary Ainsworth .

Os estudos de Harry Harlow com macacos mostram que a afeição e o amor que o recém-nascido sente por sua mãe são essenciais para desenvolver um vínculo seguro que lhe permite explorar o mundo de forma independente. No entanto, esse apego não deve ser confundido com superproteção.

Esses são alguns dos problemas de famílias tóxicas. Esperamos que você saiba lidar com seus familiares da melhor forma possível, sempre entendendo o que faz de você um parente tóxico e tentando melhorar esse aspecto ao longo do tempo.  Boa sorte!

Texto originalmente publicado em lamenteemeravigliosa e adaptado pela equipe do blog Educadores.