Início Comportamento Conheça melhor como se expressa o autismo em adultos

Conheça melhor como se expressa o autismo em adultos

500
0

É bastante comum que as informações em relação ao transtorno do espectro autista (TEA) seja mais direcionado às crianças em função da dificuldade no processo de desenvolvimento. No entanto, o autismo atinge adultos de maneira significativa, também, sendo importante entendermos como ele se expressa nesses casos.

QUAIS AS NECESSIDADES DOS ADULTOS COM AUTISMO?

É importante deixar claro que o autismo na idade adulta tem sido uma área negligenciada pelas pesquisas. Felizmente as coisas melhoram com o passar do tempo, e hoje já temos mais dados e mais conhecimentos do assunto. Um desses dados é o fato de que muitos adultos autistas não sabem que tem essa condição.

São normalmente pessoas independentes, que assumem suas responsabilidades e tem projetos de vida, mas sentem que há algo errado com eles. Problemas de interação social, hipersensibilidade e ansiedade costumam limitar a qualidade de vida dessas pessoas. Sendo assim, é importante saber que nunca haverá duas pessoas com TEA que apresentem as mesmas características.

Por isso é muito importante a consulta a psicólogos para que se possa detectar o problema o mais rápido possível e assim melhorar a condição de vida desse adulto autista.

PSICÓLOGO PARA AUTISMO

Se você conhece um adulto que desconfia ter TEA, é importante que ele vá ao psicólogo para verificar. Visitando o profissional ele irá lhe dar uma avaliação abrangente, identificando os pontos fortes, necessidades cognitivas e comportamentais. Além disso, poderá realizar exames médicos para descartar outras condições.

Quando se realiza um tratamento psicológico, o profissional trata a pessoa específica e não o problema em questão. Isso ocorre por que cada autista tem características diferentes, sintomas diferentes, que exigem que o profissional trate cada um de uma maneira. Mas inevitavelmente ele tratará de aspectos como: treinamento em comunicação, integração de hábitos, modificação de certos comportamentos prejudiciais, prática de rotinas funcionais, além de abordar dimensões como ansiedade e transtornos de humor.

APOIO FAMILIAR

É muito importante que o autismo seja tratado em ambiente familiar. Pais, mães, parceiros e filhos… quando se trata de adultos com autismo, precisamos levar em conta todas as relações de parentesco. Saber como agir e entender o que é o transtorno é fundamental.

Texto originalmente publicado em amenteemaravilhosa e adaptado pela equipe do blog educadores.