Início Comportamento ‘Caixa da raiva’ ensina crianças a lidarem com sentimentos de raiva e...

‘Caixa da raiva’ ensina crianças a lidarem com sentimentos de raiva e frustrações

493
0

A Caixa da raiva pode ser feita em família e guardada em um local da casa ou sala de aula.

Ensinar uma criança a lidar com seus conflitos e momentos de tristeza e irritação com certeza é um grande problema que alguns pais enfrentam. Mas como isso é possível? como manter a criança tranquila e convencê-la que não deve sufocar suas emoções, mas sim encarar de frente sem precisar magoar o outro. A psicóloga espanhola Marina Martín sugere uma ideia que pode solucionar esse problema : usar a caixa da raiva.

Um artigo no site “Criando com Apego” detalha que Marina se inspirou no livro “Vaya Rabieta”, de Mireille d’Allancé, e inventou esse instrumento. Na história, o menininho Roberto é dominado pela exaltação logo depois de seus pais lhe chamarem a atenção. No livro, dentro do menino , sai um monstro espantoso, que dominou o garoto,  e o fez arremessar seus livros e brinquedos bem distante e desorganizar sua cama. Contudo, ao perceber o que fez, depois ele consegue arruma uma forma de colocar tudo em seu devido lugar – enquanto a exaltação  vai diminuindo , pode ser conservada em uma caixa.

Capa do livro

Reprodução

Capa de livro que ensina a passar com a raiva.

Partindo da ideia dessa história, Marina aconselha que os pais ou responsáveis tentem levar as crianças a ilustrarem um desenho quando estiverem experimentando um momento de raiva ou fúria . Além disso, o desenho é uma forma de as crianças  colocarem para fora a consternação. Com base no artigo, primeiramente, os pequenos devem expressar  no desenho traços fortes, que aos poucos vai mudando e ficando mais fraquinhos cada vez que a criança vai se sentindo cada vez mais calma.

Dessa forma,  a proposta é que seus desenhos sejam guardados dentro de uma caixa fechada. A caixa pode ser feita juntamente com os familiares e conservada em um canto exclusivo em casa ou na sala de aula.

Este artigo foi publicado originariamente no site- Luneta, e foi reproduzido adaptado por equipe do blog Educadores.