Início Destaque Aprendendo a enxergar e aceitar as limitações: Exercício psicológico para aceitar nossos...

Aprendendo a enxergar e aceitar as limitações: Exercício psicológico para aceitar nossos defeitos

93
0

Aceitar nossos defeitos é um princípio básico para nos reconhecermos como seres humanos com possibilidades de mudança e também com suas próprias limitações, como todas as outras pessoas têm. 

Mas você consegue se aceitar?

Vamos te mostrar um exercício psicológico que vai te ajudar a se aceitar como és, com seus defeitos e suas limitações.

O que devo fazer para ser capaz de me aceitar?

1. Faça uma autoavaliação objetiva

O primeiro passo é fazer uma autoavaliação e reconhecer nela o que você considera serem seus principais defeitos, pontos fortes ou fracos.

Agora pergunte a si mesmo : Por que eles aparecem? Você tem as qualidades ou as quer? É a sociedade que dita a maneira como você é ou não é?   Alguém o influenciou a determinar que isso é um defeito e você acreditou?

2. Racionalizar os resultados da avaliação

Agora você deve se perguntar as seguintes perguntas:

 Quão verdadeiro é esse defeito? É realmente tão ruim tê-lo? E se for assim, esse defeito pode cancelar o resto das minhas virtudes?

Você deve ter em mente, ao responder a essas perguntas, que o que nos torna o que somos é a soma de tudo o que consideramos : defeitos, virtudes, habilidades, preferências e finalmente ; todos aqueles aspectos que nos individualizam como pessoas .

3. Aceite suas falhas e procure o lado positivo

Depois de concluir a segunda etapa, você deve prosseguir para se posicionar em frente ao espelho e prestar atenção no defeito que mais o incomoda ; E agora querendo dizer: eu tenho esse defeito como o resto das pessoas tem o deles, eu aceito e não me causa nenhum problema admiti-lo!

Essa atividade deve ser praticada diariamente , concentrando-se a cada dia em um defeito diferente e fazendo a mesma rotina de aceitação.

Sempre tenha em mente o fato de que, enquanto você se aceitar, as outras pessoas não terão as ferramentas para fazer você se sentir mal.

Texto originalmente publicado em menteasombrosa e adaptado pela equipe do blog Educadores.