Início Comportamento 6 maneiras de ajudar uma criança ansiosa a se acalmar

6 maneiras de ajudar uma criança ansiosa a se acalmar

1561
0

Saiba como ajudar o seu filho a lidar com a ansiedade

Fernando Ramos Asbahr é coordenador do Programa de Transtornos de Ansiedade na Infância e Adolescência no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP. Ele compara a assimilação de uma pessoa ansiosa a um sensor desajustado de incêndio, que causa alagamento em um prédio inteiro por causa de um riscar de fósforo. “A ansiedade pode até atrapalhar o desenvolvimento, mas o problema é quando altera o dia a dia. A criança não consegue ir para a escola, não entra numa loja, tem problemas de convivência”, declara.

Os sintomas que envolvem especialmente crianças entre os 6 e 8 anos, caracterizam-se por preocupações em excesso quanto aos perigos que rodeiam os pais ou a si próprio, hesitação em estar desacompanhado deles e a dificuldade de dormir sem eles.

Há crianças que sentem mais ansiedade do que outras. Em média 15% a 20% das crianças nascem com algum grau de ansiedade. Uma criança ansiosa pode gritar, tremer, fugir, ficar muito quieta, agir como boba, se esconder, se agarrar, ter momentos de raiva ou ficar agressivas para evitar um ambiente ou evento que a deixe desconfortável.

Quando as crianças ficam ansiosas elas lidam com uma resposta de luta, fuga ou congelamento (estresse agudo), que é uma reação natural em resposta a algo que julgam assustador. O sistema nervoso do corpo se ativa, causando a liberação da adrenalina e noradrenalina, o que intensifica a frequência cardíaca, a pressão arterial e a frequência respiratória. Quando a ameaça passa, demora cerca de 20 a 60 minutos para que o organismo volte aos níveis normais.

Para ajudar os pais a lidarem com este tipo de situação, confira a seguir 10 maneiras acalmar o seu filho e ajudá-lo a recuperar a sensação de segurança:

­­­­1. Estimular o nervo vago

O nervo vago é o nervo responsável por conectar o cérebro a outros órgãos importantes em todo o corpo, incluindo o intestino, o estômago, o coração e os pulmões. O nervo vago é fundamental para o sistema nervoso parassimpático e influencia a respiração, a função digestiva e a frequência cardíaca, além de influenciar a saúde mental. Por esse motivo otimizar a função do nervo vago pode beneficiar a saúde da criança, fortalecendo as defesas diante do estresse.

Para estimular o nervo vago você pode: Massagear as mãos, mascar chiclete, cantar, respirar lentamente, comer um pedaço de chocolate amargo, Gargarejar (sem água).

2. Ensinar a criança a respirar profundamente

Ajude a criança para que ela respire mais devagar e mais profundamente para ajudar a relaxá-la. Respire junto com ela. Para isso, você pode fazer com que ela encha balões, faça bolhas de sabão, assobie, cheire uma flor e depois a sopre.

3. Inclua atividades físicas, conforme a idade, na rotina

Atividades físicas entregam informações para os músculos e articulações, melhoram o foco e a atenção.

4. Ensine a criança a falar sobre os seus sentimentos

Quando a criança verbaliza os seus sentimentos, ela usa o lado esquerdo do cérebro e com isso aprende a autorregulação das emoções. Por vezes, a criança, antes mesmo de verbalizar, se comunicará com o próprio corpo e aos poucos vai dando voz ao que tenta demonstrar por meio de gestos. Procure estimular a criança a dar importância ao que o corpo está tentando dizer.

5. Elabore um plano de ação para evitar a ansiedade

Criar um plano pode ajudar seu filho a tolerar e a lidar com a ansiedade. Por exemplo: se a criança sofre com o medo de tempestades, ela pode executar uma atividade artística somente quando houver tempestades: pode ser uma pintura, montar um quebra-cabeça, montar um castelo de cartas ou brincar com lego.

6. Crie uma rotina para a alimentação e o sono

Determinar horários habituais para realizar as refeições e para dormir é indispensável para a saúde integral da criança. Para a criança dormir melhor é necessário estabelecer uma rotina. Um estudo da Universidade de Saint Joseph, nos Estados Unidos, analisou 405 famílias com filhos de 7 meses a 3 anos. Os resultados mostraram que as crianças que vão para a cama sempre no mesmo horário, todas as noites, melhoram a continuidade do sono noturno e, como consequência, contribui para o bom humor.

Fonte: portalraizes