Início Destaque “Se não conseguirmos criar uma sociedade em que se envelheça melhor e...

“Se não conseguirmos criar uma sociedade em que se envelheça melhor e com mais saúde, falhamos!”- por Patrick Bonnet

116
0

Patrick Bonnet, diretor do UK’s National Innovation Centre for Ageing forneceu uma entrevista para um Fórum onde explica sobre envelhecimento saudável.

A  UK’s National Innovation Centre for Ageing (NICA) é um projeto conjunto do governo britânico e da Universidade de Newcastle. Ela consiste Na construção de um novo centro de inovação que encoraja o envolvimento público com as questões relacionadas com o que significa envelhecer bem por mais tempo. Especialistas em inovação, académicos, centros de investigação e empresas, trabalham para criar novos produtos e serviços que contribuam para um envelhecimento saudável e ativo.

O edifício Catalyst, em Newcastle
será a casa do UK’s National Innovation Centre for Ageing

Um grupo voluntário de 15 mil cidadãos, chamado VOICE, que faz parte do NICA, ajudam no processo de pesquisa e desenvolvimento de produtos, ideias ou serviços, dizendo o que gostariam de ver no mercado para ajudar a envelhecer de forma ativa e saudável por mais tempo.

Os pesquisadores fizeram m estudo em que perguntámos às pessoas o que é ser velho e perceberam que é sempre 15 anos a mais do que a idade de quem responde. Ninguém se vê como velho e este é um dado interessante em termos de marketing.

O papel do NICA é encontrar soluções inovadoras, apontar caminhos, e  dizer ao mercado – olhem o que é possível fazer, olhem quais são as oportunidades e os desafios associados a uma demografia que tem cada vez mais pessoas mais velhas e como é importante encorajar a produzi-las. Trata-se de estimular a criação de melhores produtos, que sirvam melhor todas as gerações. Por exemplo, a cozinha:  se tiver as considerações de design corretas, se perceber as funcionalidades do equipamento, se pensar que quem a utiliza pode ter mobilidade reduzida porque tem 75 anos e artroses e não consegue chegar aos armários mais altos ou mais baixos, porque custa a baixar, pode aplicar as soluções a uma cozinha típica para a idade.

Segundo Patrick Bonnet, eles desenvolveram bancos de rua  com cores diferentes, assentos individuais, material aquecido, com um espaço para apoiar a bengala… coisa que não existia no Reino Unido, pois algumas das queixas que tinham de pessoas mais velhas, apontadas como uma das razões para a solidão e isolamento, era com a dificuldade de usar o espaço público, pois lá os bancos não são desenhados a pensar nos mais velhos, são desenhados para desencorajar os sem abrigo de os usarem como cama.

Tudo isso está sendo pensado para promover uma vida futura aos idosos com mais qualidade e saúde. É um mercado inovador e interessante, embora ainda não tenha sido explorado e muito aceito por todas as grandes empresas. A questão é: quando se pensa no futuro, por que pensamos apenas nas próximas gerações e não na vida saudável das gerações atuais que ainda viverão nos próximos anos? Por que não priorizamos a saúde e bem estar de quem será mais velho? É algo a se pensar.

Texto originalmente publicado em life.dn. e adaptado pela equipe do blog Educadores.