Início Comportamento O QUE NÃO DEVEMOS FAZER para criar um filho desobediente.

O QUE NÃO DEVEMOS FAZER para criar um filho desobediente.

5514
0

Diversas versões tem circulado pela internet, falando ironicamente quais são os passos para criar filhos delinquentes ou insubordinados e nós, do portal Educa-dores fizemos uma adaptação destes passos, enfatizando O QUE NÃO DEVEMOS FAZER para criar um filho desobediente.

Sabemos que algumas crianças são muito mais educadas que outras, e que uma criança malcomportada pode se tornar, quando ficar adulta, um adulto agressor ou criminoso. A culpa ou responsabilidade cabe aos pais (sendo que muitos deles nem se dão conta da sua participação, ou não, na vida dos filhos) é claro! Porque os pais e/ou responsáveis devem estabelecer limites e normas que devem ser discutidas e cumpridas. Educar não é fácil e se está fácil é porque não se está educando de maneira correta!

11 coisas para evitar que o seu filho seja um adulto desobediente

1 Dar tudo o que seu filho deseja o tornará convencido de que o mundo inteiro está ali para lhe servir. Mesmo tendo condições financeiras os pais não devem mimar em excesso, pois a criança crescerá sem reconhecer o valor das coisas, somente o preço delas.

2 Achar tudo lindo e maravilhoso, qualquer grosseria, baboseira ou birragem que seu filho fizer. Ele sempre vai querer ser o palhaço a qualquer custo e talvez não compreenda quando for chamado sua atenção em locais fora do seu ambiente domiciliar.

3 Criar seus filhos sem obrigação de fazer o mínimo dentro de casa, tipo, recolher seu prato sujo, estender sua cama, juntar seus brinquedos ou outras pequenas tarefas que ele possa realizar. Ele crescerá achando que terá uma empregada para o resto da vida. Claro, se ele tiver condições econômicas tudo bem, mas valorizar o trabalho dos outros é primordial.

4 Quando for corrigir seu filho, primeiro procure se acalmar, pois se você estiver muito irritado poderá impor um castigo severo demais e se tornar abusivo ao extremo, tanto físico quando psicologicamente. Um meio termo é o ideal e controlar as emoções é um exemplo para que a criança não veja seu responsável com um comportamento descompensado.

5 Não deixe o seu filho navegar livremente na internet e ficar até altas horas no celular, ou em sites que você não sabe a procedência. Estabeleça horários para que ele possa fazer suas pesquisas escolares ou então, manter conversa com seus colegas e grupos a que pertença. Monitore o que seu filho realiza na internet pois nem todos os conteúdos são apropriados para a idade dele.

6 Procure elogiar os progressos do seu filho, não exaltando em demasia, mas também não foque somente no que não está tão bom. O sentimento de inferioridade e de frustração pode se instalar e o seu filho pode crescer acreditando que é um perseguido sem causa.

7 Os pais e/ou responsáveis devem evitar discutir na frente dos seus filhos, para que ele não acostume a um clima desestruturado que depois possa tomar como normalidade.

8 Ensino seu filho a valorizar o dinheiro, dando-lhe(se puder) uma mesada, mas que ele tenha consciência que deve saber como gastar e que se acabar não irá ganhar outro facilmente. Porque aquela máxima: TUDO O QUE VEM FÁCIL VAI FÁCIL é verdadeira! Acredite!

9 Uma formação espiritual não deve ser imposta. Mas seu filho pode sim acompanhar a família se todos forem pertencente a alguma sociedade espiritualista e, quando ele tiver idade poderá optar por continuar, ou não, seguindo a crença dos pais.

10 Frustração é normal para formar um indivíduo pois com experiências frustradas é possível aprender, crescer e criar novas formas práticas de interagir com o mundo. Por isso não satisfaça todos os desejos de seu filho, tipo dando-lhe tudo o que desejar beber, comer ou para que se divirta. Saiba dosar as necessidades usando o bom senso.

11 Não tire a razão dos mais velhos na frente do seu filho, porque ele crescerá achando que as leis foram feitas para serem descumpridas. Primeiro faça um levantamento da situação e depois de analisar os fatos ocorridos sente e converse e explique para o seu filho se ele estava certo ou não.

Estas foram algumas considerações feitas livremente, baseadas em textos, como disse no início, retirados da Internet, e o assunto não está de forma alguma encerrado.

Se você quiser contribuir com nosso Portal dando-nos mais sugestões ficaremos eternamente agradecidos, pois nenhum assunto se esgota e esta é a razão da nossa eterna aprendizagem, tanto quando educandos quanto educadores que somos!