Início Destaque O que acontece no cérebro de uma criança quando o castigo corporal...

O que acontece no cérebro de uma criança quando o castigo corporal é usado?

60
0

Apenas 60 países proíbem o uso de castigos corporais em crianças em casa. Dentre eles está o Brasil. Mas as pessoas realmente seguem isso?

De acordo com uma pesquisa da ABCNEWS de 2017 , as palmadas na escola são apoiadas por pouco mais de um quarto dos adultos americanos (26%), mas muitos mais (65%) aprovam a surra como uma forma de disciplina em geral. No entanto, de acordo com a Associação Britânica de Psicólogos Educacionais (AEP), a palmada regular não é apenas ineficaz, mas pode ser prejudicial à saúde de crianças e adolescentes.

O maior estudo até o momento , envolvendo 75 artigos ao longo de um período de 50 anos e mais de 160.000 crianças, descobriu que a palmada está associada a 13 de 17 resultados medidos, incluindo saúde mental infantil e idade adulta precárias e maior risco de comportamento antissocial .

No entanto, aqui está o que acontece no cérebro de uma criança quando ela recebe punição corporal:

Saúde mental ruim:

Um estudo de 2012 com 34.600 adultos americanos descobriu que 2-7% dos distúrbios de saúde mental podem ser atribuídos a castigos corporais, particularmente depressão, ansiedade e paranóia.

Seis por cento deles disseram que foram “empurrados, agarrados, esbofeteados ou espancados” por seus pais e aqueles que foram 59% mais propensos a serem dependentes de álcool, 41% mais propensos a sofrer de depressão e 24% mais propensos a ter transtorno de pânico.

Menos massa cinzenta:

Um estudo de 2009 descobriu que o abuso corporal também estava associado a uma redução significativa na massa cinzenta, um tecido responsável por traduzir as informações sensoriais que recebemos em dados químicos que nossos cérebros podem entender. Aqueles que foram espancados regularmente quando crianças mostraram uma diminuição de 19,1% no volume de substância cinzenta no giro frontal medial direito, 14,5% no giro frontal medial esquerdo e 16,9% no giro cingulado anterior direito.

Relações violentas:

As crianças expostas à violência repetem o mesmo padrão que os adultos, seja batendo nos próprios filhos ou batendo no parceiro. Em um estudo de 2017 , os pesquisadores entrevistaram 758 jovens adultos e perguntaram a eles com que frequência eles foram espancado ou esbofeteado durante a infância, como forma de punição física. Eles descobriram que aqueles que eram 29% mais propensos a cometer atos de violência durante um relacionamento também eram mais propensos a ter sofrido violência. 

A punição corporal pode levar a atrasos no desenvolvimento:

Um estudo publicado nos Annals of Global Health de 74 pais e seus filhos descobriu que bater (e repreender) estava ligado a atrasos no desenvolvimento.

As crianças que apanhavam regularmente eram cinco vezes mais propensas a ter atrasos na linguagem.

Portanto, há inúmeras situações que comprovam que não vale a pena bater no seu filho. A criança precisa ser educada, não espancada. Certo?

Texto originalmente publicado em sain-et-naturel.ouest-france.fr/ e adaptado pela equipe do blog Educadores.