Início Comportamento Esquecido? Isso pode ser um sinal de que você é muito inteligente.

Esquecido? Isso pode ser um sinal de que você é muito inteligente.

155
0

Você já conheceu uma pessoa que, como um computador, se lembra de tudo e depois o reproduz sem nenhuma dificuldade particular? O que você achou dele? Certamente algo como “ele provavelmente é muito inteligente”. Mas os cientistas provaram que nem sempre é esse o caso. Eles argumentam que a memória excelente nem sempre indica um alto nível intelectual. Afinal, o esquecimento é um fator tão importante para o funcionamento eficaz do cérebro quanto a memorização. É disso que trata este artigo.

Esquecer é um grande esforço cerebral, de acordo com os cientistas Paul Frankland e Blake Richards, da Universidade de Toronto. No decorrer de sua pesquisa, eles chegaram à conclusão de que o processo de esquecimento não é parte menos importante do sistema de memória humano do que a memorização.

Os pesquisadores sugerem que o propósito da memorização não é de forma alguma o armazenamento das informações mais importantes ao longo de um período de tempo, mas a otimização do processo de tomada de decisão informada com base nas informações relevantes.

Blake Richards diz: “O verdadeiro propósito da memorização é otimizar a tomada de decisão. O cérebro precisa ser capaz de se livrar de dados desnecessários, concentrando-se nas coisas que contribuem para a tomada de decisões informadas. “

Portanto, se você se lembra apenas do tópico da conversa ou do contato social, seu cérebro esqueceu os detalhes, mas ao mesmo tempo formou as memórias mais simples que são úteis para tomar decisões e fazer previsões.

Focando no esquecimento

No passado, as pesquisas neurobiológicas sobre a memória se concentravam nos mecanismos celulares de armazenamento de informações, mais conhecidos como persistência. Ao mesmo tempo, quase nenhuma atenção foi dada à transitoriedade (esquecimento). Até agora, era geralmente aceito que a incapacidade de lembrar algo era causada por uma falha nos mecanismos de recuperação de informações.

Paul Frankland explica: “Encontramos fortes evidências dos mecanismos que levam ao apagamento das memórias, e eles são diferentes dos responsáveis ​​por sua preservação.” Resumindo, nosso cérebro se esforça muito para fazer você esquecer as chaves do gabinete. E não sem razão. Mas que mecanismos estão no cerne de tudo isso?

Um deles é o enfraquecimento e morte das sinapses entre células nervosas, onde certas informações são criptografadas. Outro mecanismo (de acordo com um estudo no laboratório de Frankland) é a formação de neurônios no hipocampo. No processo de integração, novas sinapses alteram os circuitos neurais atuais, fazendo com que as informações nelas contidas sejam sobrescritas, dificultando o acesso a elas. Isso explica o esquecimento das crianças, cujo hipocampo produz mais células nervosas.

Por que não podemos lembrar?

Qual é a verdadeira razão pela qual o cérebro gasta tanta energia lembrando e esquecendo? De acordo com Richards, existem duas razões para o seu desejo de esquecer algo.

Primeiro, em um mundo em constante mudança, dados desatualizados perdem rapidamente sua relevância e importância. Se você deseja sobreviver neste mundo e seu cérebro é constantemente bombardeado com uma grande quantidade de memórias conflitantes, fica mais difícil para você fazer a escolha certa.

E o segundo – o esquecimento promove a tomada de decisões informadas, dando-nos a oportunidade de generalizar a experiência anterior em uma nova.

Richards diz: “Sempre idealizamos alguém que possa responder a uma pergunta trivial sobre esportes, mas o significado da memória não é lembrar quem ganhou a Copa Stanley de 1972.

O objetivo da memória é torná-lo uma pessoa capaz de tomar as melhores decisões em certas circunstâncias, e isso depende muito da sua capacidade de esquecer. “