Início Comportamento Conselho de Nietzsche: Que a pressa de fazer não nos impeça de...

Conselho de Nietzsche: Que a pressa de fazer não nos impeça de ser

215
0

“ As pessoas vivem para o presente, com muita pressa e de forma irresponsável: e ele chama isso de ‘liberdade ‘”, escreveu Friedrich Nietzsche no final do século XIX. Imagine, então, se o filósofo tivesse presenciado a correria nos dias atuais…

A verdade é que nossas vidas tendem a passar em um frenesi de atividades supostamente inevitáveis ​​e inalienáveis. Nesse mundo, a pausa é um luxo.. E enquanto focamos nosso olhar no fazer, esquecemos de ser.

A idéia de fazer as coisas em alta velocidade para economizar tempo é uma ilusão. Na realidade, a pressa e a velocidade é o tomam nosso tempo, pois queremos finalizar tudo o quanto antes e acabamos priorizando o que não deveríamos. Sempre temos algo pra fazer que se torna nossa prioridade. Ou seja: não percebemos que, enquanto corremos de um lugar para outro, perdemos nossas vidas. Quanto mais tentamos apreender a vida por meio da aceleração, mais ela nos escapa. Não temos tempo para olhar para dentro, nos desdobramos para operar em modo automático e potente com tudo. E esse modo de viver torna-se um hábito tão arraigado que não demora muito para nos desconectarmos do nosso “eu”.

Nietzsche resumiu com maestria: “a pressa é universal porque todos estão fugindo de si mesmo“.

Não é fácil desaprender alguns dos hábitos que desenvolvemos. Vítimas da impaciência, consumidos pelo tique-taque incessante do relógio, aprendemos a preencher nossa agenda e a nos orgulhar dela. Condensamos experiências no menor tempo possível para fazer mais, como se a vida se resumisse a uma competição em que ganha quem faz mais tarefas.

A correria atual é preencher nossas vidas com agilidade e atividades febris, para que não haja tempo para enfrentar os problemas reais, os essenciais. Essa é a verdade.

E qual é o antídoto?

Nietzsche, que passou a descrever a correria como “inconveniente”, apontou os pilares essenciais para lançar as bases que nos permitem viver com mais tranquilidade e plenitude, transformando a própria vida em uma obra de arte que se aprecia com cuidado e lentidão.

Em “ O crepúsculo dos ídolos” destacou: “Você tem que aprender a ver e tem que aprender a pensar […] Aprender a ver implica acostumar o olhar à calma, à paciência, a deixar as coisas escaparem. mais próximo; aprender a adiar o julgamento, a cercar e cobrir o caso particular de todos os lados ”.

Nietzsche explicou que devemos aprender ” não a responder imediatamente a um estímulo, mas a controlar os instintos que nos impedem, que nos isolam “, para poder adiar decisões e ações. No extremo oposto, colocou aqueles que não resistiram a um estímulo, aqueles que reagiram e seguiram os impulsos, considerando que essa pressa em responder “é um sintoma de doença, decadência e esgotamento ”. 

Com essas falas, Nietzsche nos convida a fazer as pausas necessárias para refletir, de forma serena, deixando a realidade se desdobrar aos poucos, sabendo que a razão exige demora enquanto a pressa trabalha com base em preconceitos e ideias pré-concebidas.

Devemos valorizar a calma e a paciência, e trabalhar nelas. E aprendendo a desfrutar da companhia daquele “eu” que havíamos negligenciado e não teremos mais a necessidade de fugir de nós mesmos.

Texto originalmente publicado em rinconpsicologia e adaptado pela equipe do blog Educadores.